13 de julho de 2024
Luís Person – Foto de Marcos Mariano

Luís Carlos Person é um empresário dinâmico e bem sucedido, vindo de uma família de industriais, esteve 17 anos na indústria náutica, trabalhou com comércio exterior e desenvolve empreendimentos no setor financeiro e do agronegócio. Luís também atua na área acadêmica e é palestrante,  falando sobre temas motivacionais, inclusão, ética e cidadania, meio-ambiente e sustentabilidade, agronegócio, empreendedorismo e liderança.

Com 30 anos de idade, durante um passeio a cavalo, Luís feriu levemente um dos olhos e procurou seu oculista. Começava alí sua jornada lenta e dolorosa rumo a cegueira, um processo que durou 14 anos. A loteria da vida trouxe para Luís Person uma combinação raríssima entre retinose pigmentar  e doença de coats. Seu caso virou estudo em congressos de medicina.

A vida desafiou Luís Person: com resiliência e determinação ele começou um novo capítulo da sua história.“Uma vez que as regras são postas, ou você se rebela ou assimila as novas regras, você pode ter uma atitude passiva de resignação ou pró ativa de aceitação”, afirma.

“O ser humano não é preparado pra lidar com o diferente, quando você fica cego as pessoas te encaram, não por maldade,  como incapaz” diz Luís.

Para ele a deficiência trouxe uma nova perspectiva, uma forma mais holística de encarar a vida: “Após a cegueira eu me sinto um ser humano muitas vezes melhor do que quando eu não era cego”. “Se eu pudesse escolher eu não teria ficado cego, mas teve vantagens de eu ficar cego e não é porque eu fiquei cego que a vida acabou pra mim” continua Person.

“Eu sou deficiente visual , mas todo mundo tem alguma deficiência e na verdade todo mundo precisa das outras pessoas”.

                Para ele o grande segredo para enfrentar a deficiência é a resiliência. “No mundo animal o que mantem os seres em busca da vida é o instinto de sobrevivência…. e a resiliência, no ser humano , é isso acrescido da inteligência… a resiliência você pode exercitar e melhorar, então você pode cada vez mais se adaptar melhor a qualquer tipo de desafio que você tenha na vida, desde que você desenvolva a resiliência”. “Um deficiente, quanto mais resiliente ele for, melhor ele vai se adaptar, mas isso vale para todo ser humano”.

Com muito bom humor, uma das marcas da personalidade de Luís Person, ele encerra nossa conversa dizendo: “Eu só não consigo enxergar, o resto eu faço tudo”

Por Edmundo Vasques Nogueira

Edmundo Vasques Nogueira é um contador de histórias do dia a dia e jornalista formado pela Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero. Filho de Edmundo Prestes Nogueira, jornalista e escritor, e de Cecília Pimentel Vasques Prestes Nogueira, professora de crianças portadoras de necessidades especiais. É pai do Augusto, do Gabriel, da Raísa, da Laura e avô da Manuela.

Posts relacionados

Um comentário em ““Após a cegueira eu me sinto um ser humano muitas vezes melhor do que quando eu não era cego””

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Descubra mais sobre Edmundo Vasques Nogueira

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading